Era só uma flor e dois pingos d’água na fronte
Nada mais
Era só o que se via
Nada mais havia
Nem nada mais precisava
O jardim era só
Era água, jardim e flor

A flor banhada d’ água
De dois pingos d’ água e só

A água deitada na pétala nua da flor
Beijava, tocava, acarinhava
Refrescava
Dava alimento, afeto e só

Banhada, a flor rasa acolhia a água
Silente, como se sorrisse
Abraçava, se dava, entregava
Colo, acalanto e só

Pensei

A flor precisa da água
A água deseja a flor
Os dois num mesmo universo
No mesmo jardim em flor
Não se fundem ou se confundem
A água sempre a água
A flor sempre flor

Os dois num mesmo universo
No mesmo universo em flor
São água fresca na terra
São água, jardim e flor

Assim, somos eu e você
Eu sem você somos nada
Nem água, jardim, nem flor
Você e eu somos água
Somos água, jardim e flor

(Waldir Mafra)